sábado, 23 de setembro de 2017

O QUE É CONVERSÃO?

A palavra conversão (shub no hebraico; epistrophe no grego) é encontrada 14 vezes na Bíblia (veja Sl 19.7; 51.13; Is 1.27; 6.10; Mt 13.15; 18.3; Mc 4.12; Lc 22.32; Jo 12.40; At 3.19; 15.3; 28.27; Tg 5.19,20). Essencialmente, tanto os significados em hebraico como em grego referem-se a uma conversão dupla por parte de um indivíduo. Uma delas está relacionada ao arrependimento (um desviar-se de), e a outra à fé (um voltar-se para).
A. Arrependimento (grego metanoia).
O que o arrependimento não é.
a) Ele não é uma reforma, aquele ato pelo qual a pessoas vira uma nova página. O problema de se tentar fazer isso (como muitas pessoas fazem no dia de Ano Novo) é que todas as páginas antigas na vida da pessoa continuam sujas e manchadas.
b) Ele não é remorso, aquele ato pelo qual a pessoa se consterna pelo fruto do próprio crime, mas não pela raiz.
Aqui, temos dois exemplos bíblicos:
(1) Esaú (Hb 12.17; para entender todo esse contexto, leia Gênesis 27).
(2) Judas (Mt 27.5).
c) Ele não é penitência, aquele ato pelo qual a pessoa tenta compensar os próprios pecados com boas obras.
O que o arrependimento é.
Ele é uma mudança de ideia voluntária e sincera por parte do pecador, o que o leva a desviar-se do seu pecado. Observe que estamos falando de pecado e não de pecados. O verdadeiro arrependimento envolve desviar-se de um pecado específico, [a saber], a rejeição anterior a Cristo. Jesus especificou isso muito claramente para nós (Jo 16.7-11).
O principal interesse de Deus não é convencer um pecador a deixar de fumar, falar palavrão, berber e praticar o sexo ilícito, por piores que sejam esses pecados, já que isso não o salvará. O grande pecado que eventualmente condenará o pecador por toda a eternidade é a rejeição a Jesus Cristo. O arrependimento, portanto, trata-se de um desviar-se do terrível crime de desprezar o sacrifício do Senhor Jesus Cristo no Calvário.
a) Conforme expressado pelo ministério de João Batista (Mt 3.2,8).
b) Conforme expressado pelo ministério de Jesus (Mt 9.13; Lc 13.5; 15.7; 24.47).
c) Conforme expressado pelo ministério de Pedro (At 2.38; 3.19).
d) Conforme expressado pelo ministério de Paulo (At 17.30; 26.20).
B. Fé.
O que ela não é.
a) Ela não é um pulo cego no escuro.
b) Ela não é uma suposição.
c) Ela não é uma especulação.
d) Ela não é uma opinião ou hipótese.
O que ela é.
A fé é uma mudança de ideia voluntária e sincera por parte do pecador, o que o leva a voltar-se para o Salvador.
Quando ela ocorre.
Ela ocorre no instante em que um pecador envolve tanto a sua cabeça como o seu coração no que se refere às asserções de Cristo. Não é suficiente possuir apenas um conhecimento intelectual do evangelho. A fé bíblica demanda tanto o conhecimento mental como a aceitação do coração (Mt 7.26; At 26.27,28; Tg 2.19).
Como ela é produzida. (Rm 10.17).
Aqui, Paulo está dizendo que a fé vem pelo ouvir a mensagem, e a mensagem vem por meio da pregação de Cristo
Por que ela é necessária (Hb 11.6).
a) O pecador é salvo pela fé (Rm 5.1; Ef 2.8,9).
b) O santo é santificado (cresce na graça) pela fé.
Portanto, pela fé:
1. Vivemos (Rm 1.17).
2. Estamos de pé (2Co 1.24).
3. Andamos (2Co 5.7).
4. Combatemos (1Tm 6.12 ARA).
5. Vencemos (1Jo 5.4).
A moeda da conversão tem dois lados. O arrependimento é desviar-se do pecado, e a fé é voltar-se para Cristo. Paulo inclui ambos os conceitos durante sua mensagem de despedida aos anciãos de Éfeso (At 20.21).

Até à próxima!
Fica na paz!