sábado, 26 de novembro de 2016

DEUS ENGANAR?

Como Deus pode enganar um profeta e ainda responsabilizá-lo por suas ações?

A passagem de Ezequiel 14 levanta essa questão na mente de muitas pessoas (ver Ez 14.9-11): como Deus pode ter o controle soberano de todas as coisas se as pessoas serão responsabilizadas por suas escolhas e decisões pessoais?
A Bíblia remete todas as coisas à soberania divina. O fato de a chuva cair tanto sobre os justos como sobre os injustos, por exemplo, faz parte do soberano plano de Deus (Mt 5.45). Um falso profeta só poderia trazer uma profecia que desviasse as pessoas com a permissão ou sob a direção do Senhor. [Permitir não é o mesmo que fazer. No caso de Deus, Ele permite que o engano e, ou a mentira, entre na vida de uma pessoa de coração duro e que não se submete as verdades de Deus. Mas Ele mesmo não engana!]
Ao mesmo tempo, Deus não é responsável por nossos pecados, pois eles vêm de nossos próprios desejos pecaminosos. Ao dar mensagens enganosas aos falsos profetas, Deus estava simplesmente dando a eles e a seus ouvintes exatamente o que eles queriam (ver 2Ts 2.11). Se o Senhor não houvesse refreado os pecados do povo, ele (o povo) iria naturalmente escolher mentiras em vez da verdade, e adorar a criação em vez de o Criador (Rm 1.18-25). Deus simplesmente permitiu que o povo vivesse de acordo com os desejos de seu coração pecaminoso.
O fato impressionante não é o de Deus permitir que alguns pecadores persistam em seus próprios delírios, mas o de que Ele salva pecadores, muda nossa natureza e dá-nos o desejo de fazer o bem para a glória dEle (ver Ez 36.25,26; Ef 2.10; Fp 2.12,13).

ESTUDANDO EZEQUIEL 14.1-11
Os líderes de Israel recorreram a Ezequiel para obter uma palavra do Senhor. Mas, Deus estava irado com eles por ainda terem ídolos no coração. Eles vieram ao Pai sem preparar o coração. Mesmo tendo boas intenções, o pecado do coração deles poderia deixá-los surdos para as instruções de Deus.
As palavras do Senhor a essas pessoas devem fazer-nos tremer. Eram pessoas sob as instruções do profeta de Deus, Ezequiel. Mas, o Altíssimo prometeu ir contra elas, torná-las um exemplo e eliminá-las. Ele faria tudo isso para ser reconhecido sem enganos.
Devemos ouvir essa história e guardá-la no coração. Precisamos examinar nosso coração, procurando inutilidades a que possamos estar apegando-nos. Podemos buscar o conselho de um pastor, mas se poluímos nossa vida, Deus nos dará o tipo de resposta que nossa idolatria merece.
Em vez disso, devemos preparar o coração e purificar nossa vida da lama que nos prende. Então, podemos aproximar-nos de Deus com ouvidos para ouvir e coração para receber. O seu coração está limpo da aglomeração de ídolos? (Ídolos, é tudo aquilo que colocamos em nossa vida, acima de Deus. Não é só imagens de esculturas não!).

Em Ezequiel 14.9-11 — A ligação entre a soberania de Deus e a responsabilidade dos seres humanos está implícita nesses versículos. O Senhor permite que as revelações mentirosas, anunciadas pelos falsos profetas, tenham continuidade por propósitos que apenas Ele conhece, mas o pseudo profeta terá de prestar contas pelo conteúdo de suas mensagens. Esses falsos profetas israelitas deliberadamente ignoravam a verdade e misturavam-na com falsidades. Sua punição seria a mesma do que pergunta (os anciãos). Entretanto, caso se convertessem, estariam sujeitos ao plano redentor divino (v. 5).O teor da profecia deste capítulo é o mesmo do vigésimo capitulo, porque o Senhor se levantou contra a prática de pessoas que viviam na impiedade, e que vinham consultar profetas, como costumam se dar à referida prática aqueles que sendo do mundo, consultam cartomantes, quiromantes, necromantes e feiticeiros, com a finalidade de lhes revelar o que lhes reserva o futuro.
O Senhor revela seu plano para castigar os idólatras e falsos profetas (14:1-11).  Alguns dos anciãos de Israel foram novamente a Ezequiel, aparentemente procurando orientação do Senhor (14:1; cf. 8:1). A palavra do Senhor referente aos anciãos foi áspera, condenando os líderes por suas inclinações à idolatria (14:2-5). Ele falou de levantar ídolos dentro do coração (14:3), mostrando o problema de uma atitude idólatra, e não somente das práticas visíveis da idolatria (cf. Jeremias 6:19; 17:10; Mateus 5:27-28; Filipenses 4:8; Colossenses 3:1-5; Hebreus 4:12). Em conseqüência desta idolatria no coração, eles não tinham direito de aproximarem-se de Deus para interrogar (14:3). O acesso a Deus depende de um coração puro e voltado a ele (cf. Salmo 24:3-6; 5:4-7). Os idólatras que ousavam ainda chegarem a Deus seriam castigados severamente. Os que não aprenderam pela palavra, poderiam aprender somente pelos atos de Deus (14:4-10; cf. Isaías 26:9). Deus queria que o povo se purificasse de sua idolatria para ser verdadeiramente o povo do Senhor (14:11). Como? “Convertei-vos, e apartai-vos dos vossos ídolos, e dai as costas a todas as vossas abominações.... para que a casa de Israel não se desvie mais de mim, nem mais se contamine com todas as suas transgressões. Então, diz o SENHOR Deus: Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus” (14:6,11).

Até a próxima!
Fica na paz!