sábado, 26 de novembro de 2016

DEUS ENGANAR?

Como Deus pode enganar um profeta e ainda responsabilizá-lo por suas ações?

A passagem de Ezequiel 14 levanta essa questão na mente de muitas pessoas (ver Ez 14.9-11): como Deus pode ter o controle soberano de todas as coisas se as pessoas serão responsabilizadas por suas escolhas e decisões pessoais?
A Bíblia remete todas as coisas à soberania divina. O fato de a chuva cair tanto sobre os justos como sobre os injustos, por exemplo, faz parte do soberano plano de Deus (Mt 5.45). Um falso profeta só poderia trazer uma profecia que desviasse as pessoas com a permissão ou sob a direção do Senhor. [Permitir não é o mesmo que fazer. No caso de Deus, Ele permite que o engano e, ou a mentira, entre na vida de uma pessoa de coração duro e que não se submete as verdades de Deus. Mas Ele mesmo não engana!]
Ao mesmo tempo, Deus não é responsável por nossos pecados, pois eles vêm de nossos próprios desejos pecaminosos. Ao dar mensagens enganosas aos falsos profetas, Deus estava simplesmente dando a eles e a seus ouvintes exatamente o que eles queriam (ver 2Ts 2.11). Se o Senhor não houvesse refreado os pecados do povo, ele (o povo) iria naturalmente escolher mentiras em vez da verdade, e adorar a criação em vez de o Criador (Rm 1.18-25). Deus simplesmente permitiu que o povo vivesse de acordo com os desejos de seu coração pecaminoso.
O fato impressionante não é o de Deus permitir que alguns pecadores persistam em seus próprios delírios, mas o de que Ele salva pecadores, muda nossa natureza e dá-nos o desejo de fazer o bem para a glória dEle (ver Ez 36.25,26; Ef 2.10; Fp 2.12,13).

ESTUDANDO EZEQUIEL 14.1-11
Os líderes de Israel recorreram a Ezequiel para obter uma palavra do Senhor. Mas, Deus estava irado com eles por ainda terem ídolos no coração. Eles vieram ao Pai sem preparar o coração. Mesmo tendo boas intenções, o pecado do coração deles poderia deixá-los surdos para as instruções de Deus.
As palavras do Senhor a essas pessoas devem fazer-nos tremer. Eram pessoas sob as instruções do profeta de Deus, Ezequiel. Mas, o Altíssimo prometeu ir contra elas, torná-las um exemplo e eliminá-las. Ele faria tudo isso para ser reconhecido sem enganos.
Devemos ouvir essa história e guardá-la no coração. Precisamos examinar nosso coração, procurando inutilidades a que possamos estar apegando-nos. Podemos buscar o conselho de um pastor, mas se poluímos nossa vida, Deus nos dará o tipo de resposta que nossa idolatria merece.
Em vez disso, devemos preparar o coração e purificar nossa vida da lama que nos prende. Então, podemos aproximar-nos de Deus com ouvidos para ouvir e coração para receber. O seu coração está limpo da aglomeração de ídolos? (Ídolos, é tudo aquilo que colocamos em nossa vida, acima de Deus. Não é só imagens de esculturas não!).

Em Ezequiel 14.9-11 — A ligação entre a soberania de Deus e a responsabilidade dos seres humanos está implícita nesses versículos. O Senhor permite que as revelações mentirosas, anunciadas pelos falsos profetas, tenham continuidade por propósitos que apenas Ele conhece, mas o pseudo profeta terá de prestar contas pelo conteúdo de suas mensagens. Esses falsos profetas israelitas deliberadamente ignoravam a verdade e misturavam-na com falsidades. Sua punição seria a mesma do que pergunta (os anciãos). Entretanto, caso se convertessem, estariam sujeitos ao plano redentor divino (v. 5).O teor da profecia deste capítulo é o mesmo do vigésimo capitulo, porque o Senhor se levantou contra a prática de pessoas que viviam na impiedade, e que vinham consultar profetas, como costumam se dar à referida prática aqueles que sendo do mundo, consultam cartomantes, quiromantes, necromantes e feiticeiros, com a finalidade de lhes revelar o que lhes reserva o futuro.
O Senhor revela seu plano para castigar os idólatras e falsos profetas (14:1-11).  Alguns dos anciãos de Israel foram novamente a Ezequiel, aparentemente procurando orientação do Senhor (14:1; cf. 8:1). A palavra do Senhor referente aos anciãos foi áspera, condenando os líderes por suas inclinações à idolatria (14:2-5). Ele falou de levantar ídolos dentro do coração (14:3), mostrando o problema de uma atitude idólatra, e não somente das práticas visíveis da idolatria (cf. Jeremias 6:19; 17:10; Mateus 5:27-28; Filipenses 4:8; Colossenses 3:1-5; Hebreus 4:12). Em conseqüência desta idolatria no coração, eles não tinham direito de aproximarem-se de Deus para interrogar (14:3). O acesso a Deus depende de um coração puro e voltado a ele (cf. Salmo 24:3-6; 5:4-7). Os idólatras que ousavam ainda chegarem a Deus seriam castigados severamente. Os que não aprenderam pela palavra, poderiam aprender somente pelos atos de Deus (14:4-10; cf. Isaías 26:9). Deus queria que o povo se purificasse de sua idolatria para ser verdadeiramente o povo do Senhor (14:11). Como? “Convertei-vos, e apartai-vos dos vossos ídolos, e dai as costas a todas as vossas abominações.... para que a casa de Israel não se desvie mais de mim, nem mais se contamine com todas as suas transgressões. Então, diz o SENHOR Deus: Eles serão o meu povo, e eu serei o seu Deus” (14:6,11).

Até a próxima!
Fica na paz!


domingo, 20 de novembro de 2016

COMO É O CÉU?


Para todos os fins e propósitos, o crente deve considerar o céu como uma cidade literal, física, incrivelmente grande e onerosa, brilhante e abençoada, localizada entre as estrelas.
A. Essa cidade era esperada no Antigo Testamento.
  1. Por Abraão (Hb 11.10).
  2. Por Davi (Sl 46.4; 87.3)
  3. Por todos os homens e mulheres de fé (Hb 11.13,16).
B. Essa cidade é prometida nos Evangelhos (Jo 14.1-3).
C. Essa cidade é mencionada nas epístolas (Gl 4.26; Hb 12.22; 13.14).
D. Essa cidade é descrita no livro de Apocalipse (Ap 21.2).
A cidade tem muitas características e muitos pontos de referência.
A. O tamanho (Ap 21.16b).
De acordo com nossas unidades de medidas atuais, essa cidade teria 2.200Km de distância, altura e largura aproximadamente. Se fosse colocada nos Estados Unidos, alcançaria desde Nova York até Denver, colorado, e do Canadá até a Flórida.
Quão grande é uma cidade desse tamanho? A Terra tem, aproximadamente, 310 milhões de Km² de hidrosfera e 155 milhões de Km² de litosfera. Se formos multiplicar as dimensões da nova Jerusalém, chegaríamos aos Km³ da cidade, impressionantes 10 bilhões aproximadamente. Esse resultado é 14 vezes o valor da superfície de toda a Terra, incluindo terra e água.
Foi estimado que, aproximadamente, 40 bilhões de pessoas viveram em nosso planeta desde a criação de Adão. Desse número, mais de cinco bilhões vivem hoje. Estudos de densidade demográfica de cidades garantem-nos que cada um desses 40 bilhões poderia facilmente ser acomodado apenas no "térreo", dessa incrível metrópole de 2200 camadas.
Usando uma abordagem diferente, o céu terá 396 mil andares (com 6 metros por andar aproximadamente), sendo que cada um deles possuirá uma área tão grande de quanto metade dos Estados Unidos.
B. O formato (Ap 21.16).
A descrição permite duas possibilidades, a saber, a de que a nova Jerusalém tem o formato de um cubo perfeito ou de uma vasta pirâmide.

  1. Argumentos para uma cidade cúbica. A afirmação de João, em Apocalipse 21.3, parece indicar isso. Em Some Questions Converning the New Jerusalem, Gary Cohen compara a cidade ao Santo dos Santos: É interessante notar que o Santo dos Santos, dentro do tabernáculo, tem formato cúbico (20x20x20 cúbitos). A sugestão é que toda a cidade seja um enorme Santo dos Santos, de formato cúbico como o sagrado santuário do interior do templo (1Rs 6.20), perfeitamente encaixada na verdade de que essa cidade será o lugar exato onde Deus fará Sua morada. (Grace Journal, 6v.p.24)
  2. Argumentos para uma cidade piramidal. H.A. Ironside visualiza dessa forma: Prefiro imaginar a Cidade Santa como o monte de Deus, uma vasta pirâmide de base quadrada, com 12 mil estádios em cada sentido, e subindo a uma altura tão extensa quanto seu comprimento e sua largura, e os tronos de Deus e do Cordeiro, no ápice, de onde flui o rio de água da vida, que espirala o monte, com uma rua de ouro de cada lado desse rio. Mas, em ambos os casos, se a imaginarmos como um cubo ou pirâmide, a ideia é a mesma: é uma cidade de perfeição absoluta. (Revelation.p.357)
  3. Argumentos para uma cidade esférica. O Dr.J.Vernon McGee utiliza uma abordagem diferente em relação às visões acima: Em vista do fato de que ela está no espaço como um planeta ou como uma estrela, parece que será um globo.[...] A cidade está dentro de um globo.[...] A luz brilhará nas 12 fundações, dando um colorido fantástico e surpreendente ao novo universo.[...] De dentro, a cidade parece um diamante. O ouro é transparente e o diamante é a estrutura para o ouro que está dentro. [...] A esfera terá uma circunferência de 13.100Km aproximadamente. O diâmetro da lua é de aproximadamente 3.400Km e o da nova Jerusalém esférica será de aproximadamente 4.11Km: portanto, a nova Jerusalém terá o tamanho da lua mais ou menos. E será esférica, assim como outros corpos celestes. (Reveling through Revelation.p.86,87,105)
São argumentos baseados em contextos bíblicos. Nós temos a liberdade de argumentar, imaginar, sonhar em como vai ser nossa eterna morada. A Bíblia fala claramente a respeito da estrutura e de tudo que envolve-a.  Não importa como a imaginemos. O importante é que será Linda! e Esplendida! E moraremos lá! Mas devemos sim, continuar estudando, especulando, buscando conhecer tudo que diz respeito ao crescimento do conhecimento da Santa Palavra. Vamos continuar o estudo!
C. Os nomes.
A Bíblia usa diferentes nomes para referir-se à cidade.
  1. Nova Jerusalém (Ap 3.12; 21.2).
  2. A Cidade Santa (Ap 21.2; 22.19).
  3. A Jerusalém celestial (Hb 11.16; 12.22).
  4. Monte Sião (Hb 12.22).
  5. A noiva, a esposa do Cordeiro (Ap 21.9).
  6. Paraíso (Ap 2.7). Judson Cornwall traça a origem da palavra paraíso: O Antigo e o Novo Testamento falam sobre o paraíso. Na versão King James do Antigo Testamento, a palavra hebraica para paraíso é traduzida como horta (Ec 2.5; Ct 4.13) e floresta (Nm 2.8), provavelmente porque é, na verdade, uma palavra persa criada para descrever os magnificentes parques e jardins desenhados para reis persas. Mais tarde, essa palavra foi emprestada pelos estudiosos do latim que produziram a versão Septuaginta das Escrituras do Antigo Testamento (uma tradução do hebraico para o grego), a qual usava essa palavra como um nome para o jardim do Éden. Enquanto nossa Bíblia chama de Éden a primeira habitação da criação especial de deus, a tradução grega chama a casa de Adão de paraíso. (Heaven.p.32)
  7. A casa do Pai (Jo 14.2).
D. Os fundamentos.
A Bíblia também fala dos fundamentos da cidade. Ela fica sobre 12 camadas de pedras de fundamento (Ap 21.14, 19,20), e cada camada é incrustada de uma pedra preciosa diferente. São eles:
  1. O primeiro fundamento é encrustado de jaspe, um diamante claro como cristal, brilhante como um pingente de gelo no sol.
  2. O segundo fundamento é encrustado de safira, uma pedra azul e opaca com pontos dourados.
  3. O terceiro fundamento é encrustado com calcedônia, uma pedra azul-celeste com listras.
  4. O quarto fundamento é encrustado de esmeralda, uma pedra verde-claro.
  5. O quinto fundamento é encrustado de sardônica, uma pedra branca com camadas vermelhas.
  6. O sexto fundamento é encrustado de sardo, uma pedra vermelho-fogo.
  7. O sétimo fundamento é encrustado de crisólito, uma pedra amarela e transparente.
  8. O oitavo fundamento é encrustado de berilo, uma pedra verde-musgo.
  9. O nono fundamento é encrustado de topázio, uma pedra verde-dourado transparente.
  10. O décimo fundamento é encrustado de crisópraso, uma pedra verde-azul.
  11. O décimo primeiro fundamento é encrustado  de jacinto, uma pedra violeta
  12. O décimo segundo fundamento é encrustado de ametista, uma pedra roxa brilhante.
Esses 12 fundamentos não só foram encrustados de pedras preciosas, mas cada um deles tinha o nome de um dos 12 apóstolos do Novo Testamento (Ap 21.14).
Essas joias são quase iguais às 12 pedras no peitoral do sumo sacerdote (Êx 28.17-20).
É interessante observar, que todos os elementos usados na construção da Santa Cidade, são imperecíveis! Porque ela foi construída para durar eternamente!!!!! Aleluia!
E. Os muros.
Os muros da nova Jerusalém têm, aproximadamente, 65m de altura e são feitos de jaspe (Ap 21.17,18). O muro não é para proteção obviamente, mas para design e beleza apenas. Comparando o tamanho, um muro de 65m em volta de uma cidade de 2.200Km de altura seria como um meio fio de três centímetros em volta do edifício do Empire State.
F. As portas.
Há 12 portas nessa cidade, três em cada lado. Em cada porta, há o nome de uma das 12 tribos de Israel. Cada porta é composta de uma bela pérola branca (Ap 21.12,13,21).
Foi observado que o brasão da nova Jerusalém não é o fundamento de 12 joias (Ap 21.19,20), nem o muro de jaspe (Ap 21.18), nem as ruas de ouro (Ap 21.21), nem as torres de marfim (indicadas por Sl 45.8), mas as portas de pérola. Na verdade, o crente estará literalmente cercado de pérolas. Em qualquer lugar, norte, sul, leste, oeste, o objeto importante que chamará a atenção será a pérola! Por que? Muitas sugestões foram feitas:
A pérola foi a pedra preciosa que Deus escolheu para representar a Igreja (Mt 13.45,46).
A pérola vem de um corpo d'água, que geralmente é usado para simbolizar povos gentios. A Igreja será formada, em maior parte, por gentios.
A pérola é criada (diferentemente de um diamante ou de uma pepita de ouro) por um organismo vivo. Uma ostra sente que há um grão de areia em seu corpo. Para proteger-se, a pequena criatura envolve o objeto estranho com camadas de uma substância própria até que, finalmente, uma bela pérola é formada. Da mesma forma, as portas do céu serão feitas de pérola para lembrar aos remidos de que cada um deles já foi um pequeno grão de areia pecadora aos olhos de Deus e ao lado dele. Para resolver esse problema, Ele perdoou nossas iniquidades, envolvendo-nos com camadas do Seu amor. Tornamo-nos, assim, a pérola de grande valor pela maravilhosa graça de Deus.
G. A rua principal.
A principal avenida da nova Jerusalém é composta de puro ouro transparente (Ap 21.21b). Se o preço do ouro for levado em consideração, o valor total dessa cidade torna-se incompreensível.
H. O trono (Sl 103.19).
Três homens da Bíblia, pelo menos, tiveram permissão de olhar para a incrível visão do trono de Deus.
  1. Isaías (Is 6.1-3).
  2. Daniel (Dn 7.9,10).
  3. João (Ap 4.2,6).
O trono de Deus é citado mais de 40 vezes somente no Novo Testamento.
O céu também terá alguns pontos de referência bastante distintos - o rio da vida e a árvore da vida.
A. O rio da vida (Ap 22.1).
Sem dúvidas, o Espírito Santo quis fazer, pelo menos, alguma referência a esse rio quando inspirou Davi (Sl 1.3; 46.4).
B. A árvore da vida (Ap 22.2).
Quando Deus criou o homem e colocou-o no Jardim do Éden, Ele disponibilizou a Adão a árvore da vida (dentre outras coisas). Mas, quando o homem pecou, ele foi afastado do Éden e da árvore (Gn 2.9; 3.24). Nessa altura da história da humanidade, a árvore da vida desapareceu, mas, na nova Jerusalém, florescerá e frutificará como nunca antes.
Paul Lee sugere uma geografia relacionada à árvore e ao rio:
Por causa da localização da árvore da vida, que está em ambos os lados do rio, os teólogos interpretaram que a árvore não é somente uma, mas um tipo único de árvore [...], uma fileira de árvores em cada lado do rio. Outros, entretanto, veem a árvore plantada no meio do rio, com galhos estendendo-se para ambas as bandas. A árvore é grande o suficiente para abranger o rio, de modo que o rio esteja no meio da rua e a árvore dos dois lados do rio. (The New Jerusalem.p.28)

Até a próxima!
Fica na paz!

Você também vai gostar de:

A VISÃO DE JOÃO



sábado, 22 de outubro de 2016

E OS MANUSCRITOS ORIGINAIS DA BÍBLIA?

Fragmentos do Evangelho de João

Os manuscritos originais da Bíblia foram transmitidos de forma confiável para nós?

Norman Geisler e William Nix atestam a confiabilidade da Bíblia na transmissão ao longo dos séculos:
Entre o manuscrito e a Bíblia moderna, estende-se um importante elo na cadeia geral "de Deus para nós", conhecida como transmissão. Ela oferece uma resposta positiva para a pergunta: os estudiosos da Bíblia, hoje, possuem uma cópia exata dos manuscritos? Obviamente, a autenticidade e autoridade da Bíblia não podem ser estabelecidas a menos que seja sabido que as presentes cópias têm integridade. Em apoio à integridade do texto, um enorme número de documentos antigos pode ser apresentado. Para o Novo Testamento, começando com antigas versões do segundo século e fragmentos de manuscritos, e continuando com citações abundantes dos pais da igreja e milhares de cópias manuscritas daquela época até as versões modernas da Bíblia, existe praticamente uma linha intacta de testemunho. Além disso, não existem apenas incontáveis manuscritos para apoiar a integridade da Bíblia (incluindo o Antigo Testamento desde a descoberta dos manuscritos do mar Morto), mas um estudo dos procedimentos de preparo e preservação dos manuscritos bíblicos revelam a fidelidade do próprio processo de transmissão. Na verdade, pode-se concluir que nenhum outro documento da antiguidade chega ao mundo moderno com tal evidência de sua integridade como acontece com a Bíblia. (A General Introduction to the Bible.p.355)

Quais são as responsabilidades que Deus atribuiu a si mesmo para transmitir as Escrituras?

O papel de Deus tem cinco aspectos fundamentais:
A. A revelação: esse foi o processo pelo qual Deus revelou aos escritores da Bíblia aqueles fatos e verdades necessários que, de outra maneira, não poderiam saber. Dessa forma, a revelação move-se de Deus para o homem e envolve o ouvido: o homem ouve o que Deus quer que seja ouvido.
B. A inspiração: esse foi o processo pelo qual Deus garantiu que Suas revelações orais fossem corretamente grafadas pelos escritores da Bíblia. Assim, a revelação move-se do homem para o papel e envolve a mão: o homem escreve o que Deus deseja que seja escrito.
C. A iluminação: esse é o processo pelo qual Deus continuamente lança luz e compreensão divina sobre todos os que leem Sua revelação inspirada. Assim, a iluminação move-se do papel para a compreensão humana e envolve o coração: o homem recebe o que Deus quer que seja recebido.
D. A canonização: esse é o processo pelo qual Deus determinou que todos (mas somente) aqueles manuscritos inspirados fossem reconhecidos (pelo homem) e incluídos na coleção divina dos 66 livros.
E. A preservação: esse é o processo pelo qual Deus tem trabalhado de forma providencial e sobrenatural (na ocasião) a fim de manter intacta Sua Santa Palavra dos estragos do tempo, contra ataques violentos por parte dos homens perversos, de demônios etc.

Quais são as responsabilidades que Deus atribuiu ao Seu povo para transmitir as Escrituras ?

A. Responsabilidades atribuídas aos eruditos .
  1. Verificação: é o processo pelo qual especialistas em grego e hebraico, cuidadosamente, contrastam e comparam a multidão existente de manuscritos do Antigo e do Novo Testamento a fim de determinar a correta leitura dos originais.
  2. Tradução: é o processo pelo qual linguistas capacitados preparam cópias da Palavra de Deus nas várias estruturas linguísticas da humanidade.
B. Responsabilidades atribuídas aos processadores de informação.
  1. Publicação: é o processo pelo qual todos os meios de comunicação disponíveis (gráfica, televisão, rádio, vídeos, áudio cassetes, internet, DVDs, CD-ROMs etc.) são plenamente utilizados.
  2. Saturação: é o processo pelo qual todo material cristão preparado é efetivamente distribuído em base mundial.
C. Responsabilidades atribuídas aos instrutores (aos pastores, professores, missionários) que são chamados para transmitir a Palavra de Deus para outros em uma base regular:
  1. Preparo: é o processo pelo qual o instrutor, cuidadosamente, estuda o texto em particular que deverá ensinar.
  2. Súplica: é o processo no qual o instrutor ajoelha e pede ao Deus da Palavra que abençoe a Palavra de Deus!
  3. Interpretação: é o processo pelo qual o instrutor corretamente explica o significado do texto.
  4. Ilustração: é o processo pelo qual o instrutor apresenta histórias, acontecimentos úteis etc., para lançar luz sobre o texto e, dessa forma, capacitar o aluno a compreendê-la.
  5. Aplicação: é o processo pelo qual o instrutor apresenta como texto escritural pode ser aplicado à vida de cada aluno de forma prática.
D. Responsabilidades atribuídas a todos os cristãos.
  1. Santificação: processo pelo qual o cristão permite que a Palavra de Deus separe-o e, assim, torne-o mais parecido com Jesus.
  2. Proclamação: é o processo pelo qual o cristão usa todas as oportunidades para proclamar e anunciar a gloriosa mensagem do evangelho!
LEIA TAMBÉM:
Até a próxima!
Fica na paz!







quarta-feira, 12 de outubro de 2016

O que significa cair no Espírito, e isso é bíblico?

A. A prática envolvida.
Nas últimas décadas do século 20, alguns televangelistas começaram a fazer as pessoas caírem [como mortas] no Espírito, o que era conseguido quando evangelista tocava nelas ou as empurrava (em geral, na testa), fazendo com que caíssem instantânea e, às vezes, violentamente para trás, em um estado de inconsciência.
B. Os particulares envolvidos.
  • Em primeiro lugar, parece haver pouca concordância ou entendimento entre aqueles que praticam isso. Por que isso é feito? Quem pode fazê-lo? É preciso que um evangelista esteja envolvido ou um cristão pode fazer isso acontecer a outro cristão? Por que a pessoa precisa ficar inconsciente? Finalmente, quais são os resultados dessa prática?
  • Em segundo lugar, a palavra hebraica khalal, traduzida como "[cair] morto", ocorre 73 vezes no Antigo Testamento, mas jamais é usada com a essa ação do Espírito Santo sobre o crente.
  • Em terceiro lugar, a palavra [cair] morto é encontrada apenas duas vezes no Novo Testamento.
a) Uma passagem que se refere à morte de animais sacrificiais (At 7.42 NTLH, mataram). 
b) A outra passagem fala de cristãos sendo mortos pelos seus inimigos (Hb 11.37).
  • Em quarto lugar, cair para trás na presença de Deus ou ser morto por Ele sempre significou juízo, e nunca bênção!
a) Exemplos de pessoas que foram mortas por Deus:
(1) Conforme testificado por Isaías (Is 34.3; 66.16).
(2) Conforme testificado por Jeremias (Jr 25.33).
(3) Conforme testificado por Ezequiel (Ez 35.8).
b) Exemplos de pessoas que caíram para trás na presença de Deus:
(1) Conforme testificado por Davi (Sl 40.14; 70.2).
(2) Conforme testificado por Jeremias (Jr 15.6).
(3) Conforme testificado por João (Jo 18.3-6).
  • Em quinto lugar, cair para frente na presença de Deus significa adoração, reverência e aceitação divina. As Escrituras estão repletas de exemplos desse tipo:
a. Moisés e Arão (Nm 16.22; 20.6).
b. Apenas Moisés (Dt 9.18).
c. Ezequiel (Ez 1.28; 3.23; 43.3-5; 44.4).
d. Daniel (Dn 8.17).
e. Um leproso (Mc 1.40).
f. A mulher cananeia (Mc 7.25).
g. Simão Pedro (Lc 5.8).
h. Jairo (Lc 8.41).
i. Uma samaritana agradecida  (Lc 17.16).
j. Maria, a irmã de Marta (Jo 11.32).
k. O apóstolo João (Ap 1.17).
l. Os 24 anciãos (Ap 4.10; 5.8,14; 7.11; 19.4).
m. Os reis da terra durante o  milênio (Sl 72.11).

Fica na paz!
Até a próxima!

sábado, 1 de outubro de 2016

Qual é a diferença entre a Babilônia de Apocalipse 17 e a Babilônia de Apocalipse 18?

A. Cada Babilônia representa um sistema diferente.
  1. A Babilônia de Apocalipse 17 tem natureza religiosa.
  2. A Babilônia de Apocalipse 18 tem natureza econômica.
B. Cada sistema é representado por uma mulher ímpia.
  1. A Babilônia religiosa, como uma prostituta impura (Ap 17.1-6).
  2. A Babilônia econômica, como uma rainha arrogante (Ap 18.7).
C. Os reis desta terra cometerão fornicação com cada sistema (Ap 17.2; 18.3).
D. Ambos os sistemas são possuídos por demônios (Ap 17.5; 18.2).
E. Ambos os sistema derramaram sangue do povo de Deus.
  1. A Babilônia religiosa (Ap 17.6).
  2. A Babilônia econômica (Ap 18.24).
F. Ambos os sistemas são completamente destruídos.
  1. A Babilônia religiosa é destruída pelo anticristo no meio da grande tribulação (Ap 17.16,17).
  2. A Babilônia econômica é destruída pelo próprio Deus no final da grande tribulação (Ap 18.8).
G. Há uma reação diferente após a destruição de cada Babilônia.
  1. Ninguém lamenta a destruição da Babilônia religiosa (Ap 17.16).
  2. Todos lamentam pela destruição da Babilônia econômica (Ap 18.9-11,15-19).
H. O céu alegra-se com a destruição das duas Babilônias.
  1. A Babilônia religiosa (Ap 19.1-6).
  2. A Babilônia econômica (Ap 18.20).

As duas Babilônias referem-se à mesma cidade física?

O Dr. Charles Dyer lista nove motivos pelos quais ele acredita que as duas Babilônias em Apocalipse 17 e 18 de fato referem-se à mesma cidade literal.

O nome é o mesmo [17.5; 18.2].
A identidade é a mesma [17.18; 18.10].
As vestes são as mesmas [17.4; 18.16].
Ambas seguram um cálice [17.4; 18.6].
A relação aos reis é a mesma [17.2; 18.3].
A relação às nações é a mesma [17.2; 18.3].
A relação aos crentes é a mesma [17.6; 18.24].
As formas de destruição são as mesmas [17.16; 18.8].
A fonte de destruição é a mesma [17.17; 18.5,8]. )Wor,ld News and Bible Prophecy.p.143,144)

A cidade da Babilônia é citada 260 vezes na Bíblia. Ela foi construída originalmente por Ninrode, bisneto de Noé (Gn 10.8-10; 11.1-11) e será finalmente destruída completamente pelo próprio Deus em Apocalipse 18!
Dr.J.Vernon McGee sugere que a Babilônia será o centro mundial:
Nesse dia, a Babilônia irá dominar e governar o mundo. Ela terá o primeiro regime ditatorial total. A bolsa de valores será lida na Babilônia. A Babilônia irá estabelecer os padrões mundiais; para uma peça ter sucesso, ela primeiro terá de ser um sucesso na Babilônia. E tudo na cidade estará em rebelião contra Deus Todo-Poderoso e centrado no anticristo.(Reveling through Revelation.p.6)

SEPARE UM TEMPO, ASSISTA ESSE DOCUMENTÁRIO!
 

Dr.Charles Ryrie vê a Babilônia como uma metonímia além de ser uma cidade:
Se a cidade será realmente reconstruída no Eufrates é uma questão de debate. Mesmo assim, o nome é usado para mais do que uma cidade nesses capítulos (17--18). Ela também representa um sistema. Essa é a mesma maneira que os estadunidenses referem-se à Wall Street ou Madison Avenue. Elas são estradas de verdade, mas também representam propósitos financeiros ou propaganda. (Revelation.p.100)

A descrição da cidade explica sua destruição.
A. A descrição da cidade.
  1. Ela tornou-se a morada de demônios e falsas doutrinas (Ap 18.2).
  2. Os reis e os mercantes adoraram-na em seu altar de prata (Ap 18.3).
  3. Seus pecados alcançaram os céus (Ap 18.5).
  4. Ela viveu no prazer pecaminosos e no luxo (Ap 18.7).
  5. Sua prosperidade a cegou diante do julgamento de Deus (Ap 18.7). Há uma lista nesse capítulo (Ap 18.11-17) de não menos que 25 dos itens de luxo mais caros do mundo.
  6. Ela enganou todas as nações com suas feitiçarias (Ap 18.23).
  7. Ela estava coberta com o sangue de muito santos de Deus (Ap 18.24).
B. A destruição da cidade.
  1. A fonte dessa destruição: o próprio Deus (veja Ap 18.8,20).
  2. A forma dessa destruição: é quase evidente que algum tipo de poder atômico é usado para tal. Isso é sugerido pela rapidez do julgamento, o fogo que queima e a distância que ficam os que a veem queimar - possivelmente devido ao medo de contaminação radioativa (veja Ap 18.9,10,15,17,19).
  3. A reação diante dessa destruição. a) Pelos que estão na terra (Ap 18.19). Há três classes de pessoas que choram pela Babilônia. Os monarcas (Ap 18.9), os mercadores (Ap 18.11) e os navegadores (Ap 18.17). b) Pelos que estão no céu (Ap 18.20). Há três eventos na tribulação que farão com que todo o céu se alegre: (1) Quando Satanás for lançado fora (Ap 12.12). (2) Quando a Babilônia for destruída (Ap 18.20). (3) Quando o Cordeiro casar-se com a Igreja (Ap 19.7).
  4. O motivo dessa destruição: A cidade se tornará a base de toda a atividade demoníaca durante a tribulação (Ap 18.2). A grande perversidade dessa cidade: a) Seu orgulho demoníaco (Ap 18.7). b) Seu grande materialismo. Essa perversidade irá importar e exportar 28 mercadorias principais, começando com ouro e terminando com o corpo dos homens  (Ap 18.12,13). c) Suas atividades envolvendo drogas (Ap 18.23). d) Seu derramamento de sangue (Ap 18.24).
  5. A preconização dessa destruição no Antigo Testamento. Na noite de 13 de outubro de 539 a.C., a Babilônia do Antigo Testamento foi capturada pelos medos e persas. Pouco antes disso, o profeta Daniel leu as terríveis palavras de Deus para Belsazar, que estava apavorado: Contou Deus o teu reino e o acabou.[...] Pesado foste na balança e foste achado em falta.[...] Dividido foi o teu reino (Dn 5.26-28).
UM DIA, O PRÓPRIO DEUS IRÁ NOVAMENTE ESCREVER ESSAS TERRÍVEIS PALAVRAS NOS CÉUS DA BABILÔNIA.


Você também vai gostar de ler:

Até a próxima!
Fica na paz!

domingo, 25 de setembro de 2016

O QUE É O PECADO IMPERDOÁVEL?

O que é o pecado imperdoável (Mt 12.31,32)?

A. A definição envolvida.
O cerne dessa questão envolve duas palavras gregas: blasphemeo e blasphemia. Essas palavras significam "falar de maneira injuriosa, difamar, caluniar, insultar, falar mal de".

B. Os dois pontos de vista envolvidos.
Existem (pelo menos) duas teorias relativas à natureza desse pecado.
  1. O primeiro ponto de vista. Esse pecado pode ser cometido por qualquer incrédulo hoje e ocorre quando um pecador rejeita repetidamente a voz convincente do Espírito Santo. Em determinado ponto, o Espírito Santo para de lidar com esse pecador, e ele é eternamente condenado, perdendo, assim, a chance da salvação, embora ele possa desejá-la mais tarde. Gênesis 6.3, às vezes, é citado em apoio a essa teoria. Contudo, o contexto dessa passagem fala sobre o número de anos entre a consternação de Deus por causa dos pecados do mundo antigo e a vinda do dilúvio universal, isto é, 120 anos.
  2. O segundo ponto de vista. Esse pecado consistia em atribuir a Satanás os milagres terrenos realizados por Jesus. Essa teoria, normalmente, é defendida pela maioria dos estudiosos da Bíblia, e o contexto da passagem anterior parece apoiá-la (Mt 12.22-24).
C. As diversas partes envolvidas.
Quem teria sido culpado de blasfemar contra o Deus Todo-Poderoso?
A partir de uma perspectiva histórica.
a) Jesus denunciou os fariseus iníquos por esse pecado (Mt 12.31,32).
b) Os fariseus iníquos tentaram acusar Jesus desse pecado:
(1) Eles disseram que Ele era um blasfemador por alegar que podia perdoar pecados (Mt 9.3).
(2) Eles disseram que Ele era um blasfemador por alegar ser igual a Deus (Jo 10.30-33).
A partir de uma perspectiva profética .
a) O anticristo blasfemará contra Deus (Ap 13.1.5.6).
b) Durante a grande tribulação, os impiedosos blasfemarão contra Deus (Ap 16.9,11,21).
c) A falsa igreja blasfemará contra Deus (Ap 17.3).

Por que a blasfêmia contra o Espírito Santo foi descrita como o pecado imperdoável (Mt 12.31,32)?

Nessa passagem, o contexto anterior é crucial para que possamos responder a essa pergunta (Mt 12.22-24).
Esse milagre, em particular, foi apenas um dos 35 milagres realizados por Jesus durante o Seu ministério terreno. Ele havia alimentado as multidões, ressuscitado os mortos, curado os enfermos, dado vista aos cegos, audição aos surdos, mobilidade aos paralíticos e libertado os endemoninhados! Uma das razões principais para tudo isso era confirmar que Ele havia sido enviado por Deus. Pelo menos, um fariseu havia reconhecido isso (Jo 3.1,2).
Entretanto, a vasta maioria dos fariseus simplesmente se recusava a aceitar isso, acusando-o de realizar essas grandes obras por meio do poder do próprio Satanás! À luz dessa rejeição e rebelião, o que mais o Pai poderia fazer para convencê-los? Naturalmente, a triste resposta é nada. Não é que eles não pudessem, mas sim que não quisessem acreditar. Portanto, eles haviam ido longe demais. Seu pecado era imperdoável.

O pecado imperdoável pode ser cometido hoje?

A maioria dos estudiosos evangélicos da Bíblia responderia não a essa pergunta, já que as condições que prevaleciam durante a censura de Jesus aos fariseus iníquos em Mateus 12 já não existem mais. Isso quer dizer, simplesmente, que hoje em dia nenhum homem ímpio, por mais profundo que possa ser o seu pecado, é capaz de ver, ouvir e amaldiçoar pessoalmente o Salvador como fizeram os fariseus há mais de dois mil anos, quando Jesus andou nesta terra!
Entretanto, devemos observar que, em outro sentido trágico da palavra, milhares de pessoas que morrem sem Cristo a cada dia cometem o pecado imperdoável e definitivo (Jo 3.3; At 4.12; Hb 2.3).
A Palavra de Deus deixa claro que Deus não apenas tem poder para salvar qualquer pecador arrependido, mas também deseja fazê-lo, independente de quão profunda seja a sua iniquidade (Rm 5.20; 6.23; 1Tm 1.15)!

O que é pecado para a morte (At 5.1-3; 1Co 11.26-30; 1Jo 5.16)?

Assim como o pecado imperdoável, o pecado para a morte também tem sido objeto de controvérsia. O ponto de vista comumente aceito é que esse pecado só pode ser cometido por um filho de Deus e acontece quando este vive uma vida tão detestável que o Pai finalmente o leva da terra dos viventes mais cedo do que normalmente teria feito. Em outras palavras, assim como existe o nascimento prematuro, também existe a morte prematura. Alguns estudiosos alegam que uma evidência dessa teoria pode ser vista em Atos dos Apóstolos 5.1-11, em 1 Coríntios 5.1-5 (aqui, contudo, o cristão de Corinto, aparentemente, arrependeu-se - veja 2 Co 2.6-11). Alguns dos que defendem essa teoria usam-na como embasamento teológico para interpretar passagens difíceis, como Hebreus 6.4-10; 10.26-30.

Até a próxima!
Fica na paz!

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Quem é a mulher vestida de sol, de lua e de estrelas que é perseguida em Apocalipse 12?

Apocalipse 12.1
A. A identificação envolvida.
Ela é Israel. Essa descrição, sem dúvida, é simbólica. Um cristão judeu que lesse Apocalipse 12.1 iria lembrar-se certamente da passagem do Antigo Testamento em que José descreve um sonho estranho para o pai e seus 11 irmãos (Gn 37.9). Isso foi, é claro, cumprido quando os 11 irmãos de José curvaram-se diante dele no Egito (Gn 43.28).
Foi sugerido que essa mulher poderia simbolizar a mãe de Jesus, Maria, ou a Igreja.
  1. Ela não é Maria. Maria nunca passou três anos e meio no deserto como essa mulher (Ap 12.6,14). E Maria não era pessoalmente odiada, caçada e perseguida como vemos aqui (Ap 12.13,17). Embora Maria tenha dado a luz àquele que há de reger todas as nações com vara de ferro (Ap 12.5; Sl 2.9), a linguagem neste capítulo tem referência mais ampla a Israel do que a Maria.
  2. Ela não é a Igreja. A Igreja não trouxe o menino à existência como essa mulher (Ap 12.5), mas o contrário. (veja Mt 16.18)
B. A perseguição envolvida.
1) Perseguição no passado.
Por toda a história, Satanás tentou exterminar Israel diversas vezes. Ele fez isso recorrendo a:
  • Escravidão (Êx 2).
  • Afogamento (Êx 14).
  • Fome (Êx 16).
  • Tentação (Êx 32; Nm 14).
  • Maldição (Nm 23).
  • Devoradores (Dn 6).
  • Enforcamento (Et 3).
  • Câmaras de gás (os fornos de gás de Adolph Hitler).
  • Captura (2 Rs 17.24).
  • Deglutição (Jn 2).
  • Incêndio (Dn 3).
2) Perseguição no futuro.
Mas, virá o ataque ainda mais brutal (Dn 12,1; Zc 11.16; Mt 24.21; Ap 12.13). Isso marca o último e mais severo movimento antissemita da história.
Aparentemente, isso começará quando Israel reconhecer que o ditador do mundo romano, na verdade, é o anticristo e recusar a adorá-lo como Deus ou recusar a receber a sua marca (Mt 24.15-24).
A. W. Kac diz que o antissemitismo tem uma persistência inexplicável na história:
Juntamente com a sobrevivência dos judeus, o fenômeno histórico mais impressionante é o ódio que eles enfrentaram repetidamente entre as nações da terra. Essa hostilidade contra os judeus, que tem tem o nome de antissemitismo, é mais antiga do que a existência dos judeus. É endêmica, ou seja, como muitas muitas doenças contagiosas, está sempre conosco em certo nível. Mas, sob certas circunstâncias, ela alcança proporções e características epidêmicas. É prevalente que, onde quer que judeus residam em um número suficientemente grande, seus vizinhos estarão cientes de sua presença. "O crescimento do antissemitismo," declara Chaim Weizmann, "é proporcional ao número de judeus por quilômetro quadrado. Carregamos os germes do antissemitismo na mochila que levamos nas costas". (The Rabirth of the State of Israel. 1958.p. 306)
C. A classificação envolvida.
Quando os israelitas virem a estátua do anticristo no Santo dos Santos, as palavras de Cristo lhes virão à mente. Ele os alertou quanto a isso, exatamente, muitos séculos atrás (Mt 24.15-20).
Nessa altura, os judeus do mundo viajarão por três estradas:
  1. Muitos israelitas serão mortos pelo anticristo (Zc 13.8).
  2. Alguns israelitas seguirão o anticristo (Mt 24.10-12; Ap 2.9; 3.9).
  3. Um remanescente de Israel será salvo (Zc 13.9; Ap 12.14).
D. A localização envolvida.
Portanto, parece que um terço de Israel, pelo menos, permanecerá fiel a Deus e poderá escapar para um esconderijo especial durante a tribulação. Mesmo que não seja especificado nas Escrituras, muitos estudantes da Bíblia acreditam que esse lugar será Petra (Is 63.1; Dn 11.41; Zc 14.5). Considera-se que o Azel mencionado em Zacarias 14 tenha ligação com Petra. Os primeiros versículos de Isaías 63 lidam com a segunda vinda de Cristo. Ele vai para Edom (cuja capital é Petra) e Bozra (uma cidade de Edom) por algum motivo, e muitos acreditam que esse motivo seja receber o remanescente hebreu que está escondido lá. De acordo com a passagem em Daniel, por algum motivo, não será permitido que a terra de Edom caia nas mãos do anticristo. É considerado por alguns que o motivo seja proteger o remanescente.
Leia a carta abaixo!


Até a próxima!
Fica na paz!